terça-feira, 19 de outubro de 2010

Fotografia...

Vou contar um pouco da minha incursão no mundo da fotografia: Comecei com pouco mais de 15 anos a brincar com máquinas tipo Pocket, por volta dos meus 22 anos fiz um curso de desenho e pintura numa colectividade onde era director porque tinha algum jeito para o desenho e era muito solicitado para pintar cartazes revolucionários para as festas sindicais e coisas do género, dois anos mais tarde troquei uma acelera (Maxi Puch) por uma Canon AE1 Program com o intuito de tirar umas fotos de paisagens para depois passar para a tela(o bichinho da fotografia foi mais forte e ficou), fui fazendo umas fotos e mandava revelar numa loja de fotografia na Moita onde morava, o dono dessa loja ao ver as minhas fotos convidou-me para o ajudar nos casamentos eu aceitei passados 5/6 meses estava a fotografar casamentos para ele, trabalho que mantive em part time até ao ano de 2001 alternando o trabalho para fotógrafos com trabalho por conta própria, abandonei essa actividade quando começou a aparecer o digital e apareceram os fotógrafos de carregar pela boca, gostava de os ver nessa altura quando se andava com o coração nas mãos até ver os negativos revelados (isso é que era fotografia), hoje sigo com algum interesse e pena os tais ditos Workshops em que alguém escreveu há pouco tempo: Cheguei do IPF...Composição e...com a sensação...que nada sei...ou que terei muito ainda que aprender, mas há coisas tão intuitivas...Serão intuitivas?!...ou questão de sensibilidades...Saber olhar!!!!... . Porque hoje qualquer pessoa com uma máquina mais ou menos é fotografo e, se for esperto faz uns Workshops e vai ganhando algum dinheiro não ensinando nada a ninguém bem pelo contrário lança a confusão na cabeça dos incautos e nas redes sociais tenho encontrado alguns, aliás bastantes para o meu gosto, porque quem ama a fotografia não faz isso, peço perdão pelo radicalismo mas as coisas são mesmo assim. No que me toca quando vejo que alguém tem algum jeito ofereço a minha ajuda algumas vezes é aceite outra nem por isso talvez porque haja desconfiança e pensem que ninguém dá nada a ninguém, muito embora sejamos livres de aceitar ou não.
Recentemente o meu Mestre disse-me: O que conta não é o equipamento mas sim o que está dentro de nós…, tinha a ver com a Hasselblad que ele comprou e que é o Rolls Roice das máquinas fotográficas um brinquedo que custa só quase 30.000 euros.
Desculpem este desabafo mas tentem aprender com alguém ou organismos sérios que levem as coisas com seriedade e não o façam com gente que nem uma máquina sabe segurar, andam a tentar enganar meio mundo e cujo intuito é aliviar a carteira dos outros, ou em alternativa sejam autodidactas, leiam porque a ler também se aprende e bastante.

Sem comentários: